Projeto - Eu e minha casa

Data
17 maio, 2020
Categoria
Novidades
Autor
Danuta

Eu e minha casa - Estudo 1: Amor e Saudade

Muitos estão desanimados e sem esperança de como e quando viveremos os próximos passos, ansiedade do isolamento e preocupações diversas tomam nossa mente. Todavia, este é o momento de encontrar alegria em meio a tribulação. Através da exposição bíblica do livro de Filipenses, aprenderemos a nos adaptar a toda e qualquer situação, entendendo que nosso Deus vai completar em nós sua tão grande obra. A cada semana iremos disponibilizar estudos bíblicos para que você e seus familiares façam o culto familiar.

Oi, família Cidade Viva!

É com muita alegria que começamos este projeto de culto familiar! É comum vermos nas Escrituras o quanto o Senhor orienta os pais a ensinarem os caminhos da Verdade aos seus filhos, mas, muitas vezes, em meio às correrias da vida, nada fazemos, a não ser leva-los à igreja.

Contudo, a responsabilidade primeira de ministrar ao coração dos filhos é dos pais, assim como os cônjuges, que precisam estar firmados na Palavra. Quando deixamos o púlpito de nossas casas vazios, outros irão ocupa-lo, tais como: a TV, a internet, grupos de Whatsapp, e nunca sabemos o que está sendo “ensinado”.

Neste primeiro projeto, iremos estudar três textos bíblicos que normalmente estão pendurados em quadros ou abertos em Bíblias nas nossas casas, todavia, muitas vezes, não são realmente ensinados. Vamos, então, meditar sobre o significado e a profundidade destas passagens.

Quantas vezes faremos o culto familiar?

A ideia do Projeto “Eu e minha casa” é vivenciarmos uma vez por semana o culto familiar em nossa casa. Serão apenas seis semanas e seremos inspirados nestes dias, todavia esperamos que estes momentos sejam relevantes e inspiradores a ponto de estimular esta prática de forma constante.

Como funciona o culto familiar?

É muito simples! Você precisa combinar com antecedência com todos da família o horário do culto familiar. Não é bom que ultrapasse 30 minutos. Você pode começar com oração, um ou dois louvores, leitura bíblica e breve explicação do texto. O ideal é que se promova perguntas visando um diálogo entre todos. Ao fim, uma oração encerra o momento.

O que não fazer no culto familiar?

Tente não se prolongar muito! É um momento importante, mas precisa ser valioso pela periodicidade. Lembre que você pode continuar o assunto em outro dia. Não leia textos muito longos e não use o momento para discutir problemas teológicos ou dar sermões sobre problemas da casa. Use uma linguagem acessível a todos e viva esse momento como um culto a Deus, deixando a Palavra alcançar todos os corações presentes.

Vamos juntos neste projeto? Ocupe o púlpito que existe em sua casa! Famílias fortes mudam o mundo!

Deus nos abençoe!

1º CULTO FAMILIAR – AMOR E SAUDADE

Comecemos com oração e um ou dois louvores! (O pai ou a mãe pode orar e pedir para os filhos escolherem as músicas. Se tiver alguém que toque um instrumento musical, ótimo! Se não, é só colocar o louvor a partir de algum aplicativo.)

Vamos juntos ler o Filipenses 1:7-11? (Aproveite para cada um abrir sua própria Bíblia. Um ótimo momento para irmos nos acostumando a isso. Incentive seus filhos a marcarem trechos que chamem atenção.)

“É justo que eu assim me sinta a respeito de todos vocês, uma vez que os tenho em meu coração, pois, quer nas correntes que me prendem quer defendendo e confirmando o evangelho, todos vocês participam comigo da graça de Deus. Deus é minha testemunha de como tenho saudade de todos vocês, com a profunda afeição de Cristo Jesus. Esta é a minha oração: que o amor de vocês aumente cada vez mais em conhecimento e em toda a percepção, para discernirem o que é melhor, a fim de serem puros e irrepreensíveis até o dia de Cristo, cheios do fruto da justiça, fruto que vem por meio de Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus.” Filipenses 1:7-11

Aprendemos na primeira pregação desta série que o Apóstolo Paulo escreve esta carta da alegria aos filipenses em sua primeira prisão em Roma e que esta igreja havia sido iniciada pelo próprio Paulo em sua viagem missionária a esta cidade (At. 16).

No texto que iremos estudar hoje, percebemos o quanto a igreja de filipenses ajudava a Paulo, participando de seu ministério e de seus sofrimentos, como no momento em que leva para o mesmo uma oferta, mesmo não sendo ricos.

E é interessante como o Apóstolo fala do amor e da saudade que tem dos irmãos, pois a distância, a prisão e o ministério os afastava por longos períodos. Ter alguém no coração, sentir a profunda afeição de Cristo, mas não ter ao lado é algo que nos traz saudade.

É provável que você esteja sentindo isso agora. Compartilhem agora entre si as pessoas de quem vocês sentem saudade.

Sentir saudade não é ruim, é algo natural, pois advém do amor. Às vezes, a saudade nos machuca, mas precisamos ter em nossa mente que tudo tem um tempo determinado por Deus, Ele cuida de nós e entende o que passamos. Tudo isto vai passar! Onde há amor, há saudade! É um dia ela terá fim!

Por fim, Paulo ora por aqueles que ama. Perguntei acima se você tinha saudades de alguém e é bem provável que sim, mas queria saber agora se você costuma orar por estas pessoas.

Orar por alguém é uma atitude de amor e Paulo pede ao Deus que os conceda um amor que “aumente cada vez mais em conhecimento e em toda a percepção, para discernirem o que é melhor, a fim de serem puros e irrepreensíveis até o dia de Cristo, cheios do fruto da justiça, fruto que vem por meio de Jesus Cristo, para glória e louvor de Deus.”

Esta é uma oração incrível a se fazer por alguém! Paulo está pedindo a Deus que os conceda um amor que pense. Muitas vezes falamos de amor de forma irracional, como um sentimento que me submete a fazer loucuras, é assim pode ser. Contudo, Paulo deseja aos amigos por quem sente saudades que eles cresçam em seus corações com um amor que sabe discernir a vontade de Deus. Lembre que a Palavra diz que quem ama ao Senhor obedece aos seus mandamentos. O amor que pensa nos torna puros e irrepreensíveis. Amamos a Deus quando usamos nossa razão para fugir do pecado.

Costumamos dizer que amamos alguém a ponto de simplesmente aceitar os seus erros e pecados. Contudo, Paulo amava demais aqueles irmãos e orava pedindo pelo crescimento espiritual deles. Eram irmãos pobres, mas Paulo pediu pela santidade deles.

Você compartilhou no início deste culto doméstico os nomes de pessoas que ama e sente saudades. O que você acha agora de orarmos por eles? Vamos pedir a Deus que nossos amigos e familiares distantes possam crescer na Palavra!

Vamos orar para encerrar nosso culto doméstico? (O ideal é que esse momento final seja conduzido pelos pais. Abençoe seus filhos, ore pedindo também pelo crescimento espiritual de seus filhos)

Deus nos abençoe!

2º CULTO FAMILIAR – O SOFRER POR CRISTO

Comecemos com oração e um ou dois louvores! (O pai ou a mãe pode orar e pedir para os filhos escolherem as músicas. Se tiver alguém que toque um instrumento musical, ótimo! Se não, é só colocar o louvor a partir de algum aplicativo.)

Vamos juntos ler Filipenses 1:27-30? (Aproveite para cada um abrir sua própria Bíblia. Um ótimo momento para irmos nos acostumando a isso. Incentive seus filhos a marcarem trechos que chamem atenção.)

“Não importa o que aconteça, exerçam a sua cidadania de maneira digna do evangelho de Cristo, para que assim, quer eu vá e os veja, quer apenas ouça a seu respeito em minha ausência, fique eu sabendo que vocês permanecem firmes num só espírito, lutando unânimes pela fé evangélica, sem de forma alguma deixar-se intimidar por aqueles que se opõem a vocês. Para eles isso é sinal de destruição, mas para vocês de salvação, e isso da parte de Deus; pois a vocês foi dado o privilégio de, não apenas crer em Cristo, mas também de sofrer por ele, já que estão passando pelo mesmo combate que me viram enfrentar e agora ouvem que ainda enfrento”. Filipenses 1:27-30

Aprendemos na segunda pregação   da série “Alegria para Recomeçar” que Paulo voltava sua vida totalmente para Jesus, a ponto de dizer que viver é Cristo e morrer é lucro (Fp. 1:21)

No texto que iremos estudar hoje, precisamos lembrar que a cidade de Filipos era uma colônia romana (At. 16:12) e seus cidadãos se orgulhavam muito disso e de sua cidadania terrena, pois esta garantia direitos que foram utilizados pelo próprio Paulo quando esteve ali preso (At. 16:37). O Apóstolo agora estimula os filipenses a exercerem não a cidadania romana, mas “exerçam a sua cidadania [celestial] de maneira digna do evangelho de Cristo”.

Somos cidadãos de um novo Reino e devemos nos comportar de acordo com a Lei de Deus, sendo exemplo em tudo e perseverando até o fim. A cidadania romana garantia alguns direitos, a cidadania dos céus nos dá em Cristo a vida eterna. Contudo, as perseguições existirão e os sofrimentos também, mas estes são vistos como privilégio.

“Pois a vocês foi dado o privilégio de, não apenas crer em Cristo, mas também de sofrer por ele”. (Filipenses 1:29) Quando Jesus proferia seu tão conhecido Sermão da Montanha, trouxe para nós a ética do novo Reino e lá ele já falava sobre o sofrimento e as perseguições que nos aguarda: “Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, pois deles é o Reino dos céus. "Bem-aventurados serão vocês quando, por minha causa os insultarem, perseguirem e levantarem todo tipo de calúnia contra vocês. Alegrem-se e regozijem-se, porque grande é a recompensa de vocês nos céus, pois da mesma forma perseguiram os profetas que viveram antes de vocês". (Mateus 5:10-12)

Talvez você já tivesse ciência da inevitabilidade do sofrimento, mas você já tinha pensado sobre o privilégio de sofrer por Cristo? Comente isso com sua família!

Em muitos momentos, a ética do novo Reino será desprezada por este mundo e as perseguições serão constantes. Seremos pressionados a desistir de nossa fé e de nossos valores. Mas agora Paulo esperava que os irmãos de Filipos, vendo seu próprio sofrimento, permanecessem “firmes num só espírito, lutando unânimes pela fé evangélica, sem de forma alguma deixar-se intimidar por aqueles que se opõem a vocês”. Filipenses 1:27,28”

Você já foi perseguido pelo fato de ser cristão? Quais tem sido seus sofrimentos? Nossa luta é permanecermos unidos enquanto família que teme a Deus, buscando o Senhor e o louvando mesmo em meio a dores.

Vamos orar para encerrar nosso culto doméstico? (O ideal é que esse momento final seja conduzido pelos pais. Abençoe seus filhos, ore pedindo também pelo crescimento espiritual de seus filhos)

Deus nos abençoe!